O Amor Não Existe

O Amor Não Existe

A sociedade vive submersa numa ilusão tão grande sobre esse tal de amor, que nós não temos a dimensão da quantia de tempo, dinheiro e energia gastos em algo que só nos devolve, de fato, uma vida de peso, responsabilidades e dores de cabeça.

Existem três tipos de amor: O romântico (ou paixão), o amor fraternal, e o respeito pela dignidade humana.

Love doesn't Exist

Um bom momento pra se dar conta de que o amor não existe

Particularmente, depois de transitar da crença no primeiro para o segundo, agora estou chegando à transição entre uma crença desgastada no amor fraternal e, motivado pelo fato de que o ser humano é um ser preponderantemente egoísta, estou dando meus primeiros passos na convicção última que a única consideração que alguém merece é o respeito humanitário. Porque a maioria dos seres humanos nem vivos mereciam estar.

A conclusão libertadora é que, no final das contas, praticamente ninguém vale a pena, e praticamente ninguém merece que fiquemos o tempo todo tentando agradar, especialmente se não há a devida retribuição; porque, né, somente mentes infantis acreditam em amor incondicional.

Toda paixão, ou amor romântico, nada mais é que um sentimento que sobrevive em cima de duas colunas muito frágeis:

1 – o efêmero prazer sensual, um suborno da natureza para procriarmos;

2 – uma autoestima baixa; um profundo sentimento de ausência total de estima por si mesmo(a) e de validação como ser existente.

(e às vezes, há um 3º item: um rostinho lindo… e mentiroso)

Quando estamos em idade de procriação e encontramos alguém que num primeiro momento nos preencha o vazio da sensação de sermos estimados e importantes, surge o amor romântico, na forma de uma estupenda, e estúpida, paixão.

O Amor Não Existe. Bebam!

O Amor Não Existe. Bebam!

Com o tempo veremos que as pessoas são basicamente egoístas. E não é culpa delas. É culpa da natureza das coisas, o mundo é inóspito, cruel, duro e rude. Nossa sobrevivência é prioridade de origem biológica. Então é óbvio que as pessoas priorizarão sua sobrevivência a despeito de qualquer ilusão de paixão e relacionamento ideal. As mulheres, pela natureza frágil de sua constituição, se vêem ainda mais sujeitas ao interesse pela sobrevivência. Ficarão sempre com aquele que as convence (pelo valor social) de que oferecerão melhores condições de vida.

Que nenhuma mulher seja culpada por isso; a culpa é da Criação Divina, que nos legou esta realidade limitada, estúpida e injusta.

Trouxa

Trouxa

As pessoas são basicamente egoístas, desprovidas de talento, e têm, portanto, uma tendência a muito pouco a oferecer e de muito precisar. Portanto, salvo raríssimas exceções, NINGUÉM VALE A PENA. Quando você “luta por amor”, está basicamente lutando por alguém que no médio e longo prazo vai basicamente te sugar a energia vital. O mundo está muito mais povoado por vampiros do que supõe nosso ingênuo ceticismo quanto a lendas e folclores.

No instável balanço dos relacionamentos, ou você estará com alguém fraco que lhe puxará pra baixo e pra trás, ou estará – na verdade, tentará estar e não conseguirá – com alguém forte que lhe fará sentir desprezível.

Talvez… TALVEZ, você tenha a graça de encontrar alguém que lhe ajude a puxar a carroça da vida lado a lado. O caminho vai ficar menos pesado.

O amor não existe, só há provas de amor. Pierre Reverdy

Ainda assim vale lembrar que no final das contas somos todos burros puxando carroças.

Em termos de relacionamentos, estamos todos, uns mais, outros menos, absolutamente f…

Estar sozinho neste mundo é às vezes visto com desprezo, como fracasso pessoal. É, na verdade, alguém que está deixando de se incomodar com outra pessoa muito provavelmente dispensável, e está na verdade poupando-se diante de uma existência que basicamente não vale a pena. Uma pessoa sozinha é basicamente uma pessoa em paz; caso não esteja vivendo a infelicidade de acreditar na desgraçada ilusão de que PRECISA de alguém.

Se a Tati falou, quem sou eu...

Se a Tati falou, quem sou eu…

As Exceções

Tudo que falei acima vale como tendências amplas, claramente observáveis na ampla maioria dos relacionamentos. Praticamente todo mundo tem um problema de relacionamento. Essa ampla maioria permanece junta por questões de procriação, insegurança emocional e principalmente, por comodismo material. Elas preferem estar mal acompanhadas, do que sós. Nunca é demais lembrar que o sábio ditado sugere o oposto:

Antes SÓ do que MAL acompanhado.

Ditado pra se pôr grande num quadro e pendurar na parede da sala.

Só um instante que eu... Não volto

Só um instante que eu… Não volto

Mas existem exceções, CLARO. Há uns felizardos que encontram pares que realmente vem somar, agregar, ajudar a tocar essa vida dura e difícil. Que feliz aconchego devem sentir. Eu não sei o que é isso. Mas não desacredito, sei que existe, e fico feliz por isso.

Ainda que no final das contas não seja amor, e sim, um mútuo amparo emocional, motivado pela insegurança diante de uma existência inóspita.

Amor são duas solidões protegendo-se uma à outra. Rainer Maria Rilke

***

Imagens: 123456