Por que a América Latina é tão pobre?

Já li comentários – cuja fonte não me lembro mais – que diziam que ao final do século XIX e comecinho do século XX, cidades como Buenos Aires, Montevidéu e Rio de Janeiro, aqui na América do Sul, possuíam um nível de desenvolvimento muito semelhante à cidades como Miami, Nova York ou Montreal, na América do Norte, e até mesmo de muitas cidades europeias.

Este vídeo demonstra claramente como era o Rio de Janeiro:

Conheça também a Avenida Rio Branco no início do século XX

Quem anda pelas ruas de Buenos Aires e de Montevidéu percebe mesmo que esses centros urbanos viveram décadas incríveis de uma inacreditável pujança econômica que… acabou.

Migalhas

Migalhas

Porque em algum ponto do século passado, esses grupos de cidades tomaram diferentes caminhos, indo as cidades do Sul para o caminho da estagnação e do regresso, enquanto as do norte rumaram em direção a um super desenvolvimento.

Eu diria que isso aconteceu porque o grupo do sul aderiu em maior ou menor grau ao populismo, durante as décadas de 30 a 50, cuja origem e influencia remonta ao socialismo europeu surgido após a revolução russa de 1917. Vargas no Brasil e Peron na Argentina foram os grandes lideres desse populismo.

Populismo esse que ressurgiu com Lula no Brasil, com os Kirchner na Argentina, com Morales na Bolívia, com Chavez na Venezuela, e ainda com Rafael Correa no Equador, demonstrando claramente que não aprendemos a lição.

O fato de que muitos políticos de sucesso sejam mentirosos não é exclusivamente um reflexo da classe política, é também um reflexo do eleitorado. Quando as pessoas querem o impossível, somente mentirosos podem satisfazê-las. Thomas Sowell

Daí você assiste a este vídeo o qual descreve com precisão cirúrgica o momento político que os países da América do Sul estão vivendo, e entende perfeitamente porque o populismo é uma maldição política, de cuja libertação dependerá para que estes países retomem o verdadeiro progresso, e para que, em especial o Brasil, deixe de ser o eterno “país do futuro”.