Esse assunto é tão primário que nem dá pra acreditar que ainda vem à tona, o que revela a profunda lama de ignorância na qual a humanidade segue atolada.

O terraplanismo é resultado de mentes profundamente doentes por um conspiracionismo alucinado. Elas se sentem bem ao acreditarem que sabem de algo que a maioria não sabe.

Entretanto, para a tristeza dos terraplanistas, há uma prova real do formato esférico do planeta realizada por um BRASILEIRO: O navegador Amyr Klink.

É uma questão de geometria básica. Eu explico:

O planeta Terra possui dois círculos polares. São linhas imaginárias que definem o limite da aparição do Sol nos invernos de cada hemisfério. Elas estão no Ártico, isto é, próxima ao polo Norte, e na Antártida, isto é, próxima ao polo Sul.

No nosso planeta, que é esférico, essas duas linhas tem comprimentos semelhantes de cerca de 16 mil quilômetros, conforme se entende abaixo:

O planeta Terra: Forma esférica

O planeta Terra: Forma esférica

Amyr Klink navegou próximo ao círculo polar antártico e percorreu exatamente os 25 mil quilômetros esperados naquela faixa sul do globo (a viagem percorreu um tanto mais do que os 16 mil quilômetros do círculo polar antártico porque foi realizada a latitudes mais altas, uma vez que o círculo polar antártico se sobrepõe ao continente antártico).

Terra-plana

Terra-plana

Na imagem acima, no entanto, temos a representação do que seria a terra-plana. Seria o planeta num formato de pizza.

Fiz dois círculos amarelos sobre a imagem. O círculo menorzinho seria o círculo polar ártico, e o circulo maior, o círculo polar antártico.

Observe que, se a Terra fosse plana, o círculo polar antártico seria umas 10 vezes maior do que o círculo polar ártico, chegando quem sabe aos 200 mil quilômetros, e, se assim fosse, além de Amyr não ter terminado sua viagem até agora, quando chegasse, teria descoberto e comprovado a planitude da Terra. Teria feito uma descoberta digna de ser colocado ao lado de Cristóvão Colombo nos registros da história.

Mas não. Apesar de seus grandes feitos, Amyr Klink é desconhecido por boa parte dos brasileiros, especialmente, por parte dos terraplanistas.

Há outros argumentos a favor da esfericidade do planeta, como por exemplo, a sombra arredondada que ele projeta na Lua em eclipses lunares:

Esquema de um eclipse lunar

Esquema de um eclipse lunar

Aliás, o próprio fenômeno dos eclipses seriam inexistentes se a terra fosse mesmo plana e os luminares girassem acima dela.

Fenômenos como o Sol da meia-noite, que ocorrem para além dos círculos polares, navios sumindo no horizonte do mar, e as próprias estações do ano seriam impossíveis num cenário de terra-plana.

Enfim, seguimos na tarefa de lembrar o óbvio aos incautos.