Belo ponto de vista este abaixo:

Hoje, quase todos os motoristas se comportam como se eles fossem cidadãos privilegiados. Não dão passagem para ônibus (que transportam mais gente) nem para pedestres. Ficam irritados com pessoas atravessando à sua frente ou com ciclistas. Deveria ser o contrário. Um motorista deveria se comportar como alguém que está carregando um contrabaixo acústico numa loja de cristal: se movendo devagar e com um eterno sorriso simpático de quem pede desculpas pelo inconveniente que causa. Eduardo Fernandes

Nas cidades onde transito com frequência, que são Itapema, Balneário Camboriú e Itajaí noto menos esse comportamento agressivo dos motoristas. Existe, é verdade, tipo aquelas dondoquinhas que vão passando sem te dar passagem fingindo que não é com elas – mas sinto que é pouco. Onde vejo muita agressividade mesmo é na BR 101, que ligas as cidades aqui citadas, com aqueles carrões vindo de longe na esquerda piscando o farol impondo que viemos para a direita, como se a estrada fosse deles, como se a passagem deles fosse mais importante que a minha passagem. Esses eu xingo mesmo e creio que com certa razão ;-)

Já aqui nessas cidades citadas vejo na verdade muito motorista parando educadamente para os pedestres atravessarem a faixa e vejo também muito motorista gente boa dando passagem cordialmente para entrarmos com nosso carro na fila. E tenho feito muito isso também, numa total renovação de postura, pois até uns 5 anos atrás eu não estava muito aí pros outros, não! Coisa triste, não? Mas juro pra vocês que me regenerei ;-)

E tanto é verdade que eu aprendi a respeitar os pedestres de tanto xingar (silenciosamente) outros motoristas sem entender por quê paravam todo o trânsito para uma única pessoa passar. Vejo como eu era ignorante e metido no volante. Não sei de onde vinha tanta pressa e de onde vinha aquele instinto de competição pra ver quem é mais ágil e chega mais rápido. Na minha visão ignorante achava que não custa nada para um pedestre esperar alguns segundos a mais dada a facilidade que ele tem de parar em relação à todo o transtorno de se parar um automóvel e arrancar novamente depois. Minha ignorância não me deixava enxergar um fator preponderante: VIDA!

Vida deve ser respeitada. Pessoas e mesmo bichos de rua são seres sensíveis a qualquer susto ou raspão eventual e o que se dirá de um atropelamento de fato. Os automóveis é que são o verdadeiro TRAMBOLHO que deve ser manuseado com cuidado. Não são as pessoas que incomodam o trânsito de veículos. Na verdade, concordando com o autor da citação acima, realmente são os automóveis que incomodam o trânsito das pessoas. Assim fica fácil entender o caos que é o trânsito nas cidades, as quais foram projetadas em função de carros e não de gente :(