Loreenna Mckennitt é uma cantora já bem conhecida, mas o que é bom vale sempre estar relembrando.

A música abaixo é uma das canções mais melancólicas, e por isso mesmo mais belas, que já ouvi.

Sinto-a como um louvor sobre a finitude da condição humana.

Letra

And now my charms are all o’erthrown
And what strength I have’s mine own
Which is most faint; now t’is true
I must be here confined by you

But release me from my bands
With the help of your good hands
Gentle breath of yours my sails
Must fill, or else my project fails

Which was to please. Now I want
Spirits to enforce, art to enchant
And my ending is despair
Unless I be relieved by prayer

Which pierces so that it assaults
Mercy itself and frees all faults
As you from your crimes would pardon’d be
Let your indulgence set me free

Tradução livre

E agora meus encantos são todos vãos
E que força tenho eu senão a minha própria
Que é mais fraca; Agora a verdade
Devo estar aqui confinada por você

Mas liberte-me de minhas amarras
Com a ajuda de suas mãos bondosas
Seus sopros suaves em minhas velas
Devem inflar-lhes, ou meus planos falham

Que eram agradar. Agora quero
Espíritos que cumpram, arte que encante
E o meu fim é desesperador
A menos que eu seja aliviada pela oração

Que penetra como um ataque
da misericórdia, e livra de todas as falhas
Assim você, por seus crimes, seria perdoado
Ao deixar sua indulgência me libertar

A letra desta música tem origem na peça A tempestade, de William Shakespeare. É um trecho da fala do personagem Próspero.

Perceba: Musicar um poema não é exatamente uma tarefa fácil. Obter sucesso nessa tarefa é ainda mais difícil.

Musicar um poema de SHAKESPEARE com sucesso é praticamente impossível.

Mas Loreena, e não poderia ser outra, conseguiu.

***

Aqui vai outra versão desta canção, ao vivo:

Ouça o álbum completo

***

Loreena tem várias canções melancólicas. Esta abaixo é outra. Não recomenda-se ouvir se você estiver num momento depressivo ;)

Sobre a melancolia

Não estou num momento melancólico, ao contrário, estou num momento inacreditavelmente sereno, APESAR dos problemas que seguem insistentes, por aqui.

Mas já vivi épocas de profunda melancolia – como muitos, aliás, que não costumam assumir por vergonha; pelo medo de demonstrarem muita sensibilidade numa sociedade onde o cinismo e a indiferença são lei.

O aulete define melancolia como “tristeza sem causa definida, saudade difusa, pesar, ausência de sentido na vida”. Embora naquelas épocas tivesse meus motivos para a tristeza, sempre senti certa identificação com o estado de melancolia. É o que me faz sentir uma profunda beleza em músicas como as aqui indicadas.

Porque elas lembram o inevitável: a perda, a morte, o fim e, sobretudo, a contundente ausência de sentido em tudo que nos rodeia, da qual procuramos fugir através das infinitas distrações de que dispomos atualmente.

Veja que esta questão dá ensejo a muitas considerações. Nosso filósofo Pondé já afirmou:

“Deus me livre de ser feliz”

E outro também disse:

A angústia é o preço da lucidez“.

Tais afirmações ajudam a explicar porque a melancolia tem seu lado atraente: na melancolia estamos ladeados com a verdade – sempre crua – e nos sentimos mais lúcidos, mais próximos da realidade.

Estar melancólico é estar consciente dos próprios limites e dos limites da existência.

É não estar se deixando enganar pelas ilusões da vida.