Contundente reflexão de Rubem Alves:

Se eu fizer os exames vestibulares, não passarei. E se o novo reitor da Unicamp fizer os vestibulares, não passará. Se o Ministro da Educação fizer os vestibulares, não passará. Se os professores das universidades fizerem os vestibulares, não passarão. Se os professores dos cursinhos que preparam os alunos para passar nos vestibulares fizerem os vestibulares, não passarão (cada professor só passará na disciplina em que é especialista…). Se aqueles que preparam as questões para os vestibulares fizerem os vestibulares, não passarão. Então me digam, por favor: por que é que os jovens adolescentes têm de passar no vestibular? Os vestibulares são um desperdício de tempo, de dinheiro, de vida e de inteligência. Passados os exames, a memória (inteligente) se encarrega de esquecer tudo. A memória não carrega peso inútil.

Acho que essa problemática toda vai além do vestibular.

Ela está no ensino de um modo geral, na educação como um todo.

O vestibular é só uma parte do problema.

Antigamente você aprenderia seu ofício no local onde ele é praticado. Se quisesse ser um carpinteiro, trabalharia com carpinteiros, começando como um aprendiz. Se quisesse ser médico, trabalharia com médicos. Se quisesse aprender a construir obras, trabalharia numa obra. Aprendiz era o status inicial de qualquer profissional. Hoje você aprende (?) tudo isso numa UNIVERSIDADE, onde nenhuma dessas atividades são praticadas. Elas até tentam reproduzir ambientes semelhantes aos reais, mas uma cópia é sempre uma cópia, né? Nada como a vida real para conhecermos a vida real.

Acredito que para se formar bons profissionais não haveria outra fórmula de modo que não entendo como as coisas chegaram desgraçadamente onde chegaram na educação contemporânea. Na pior das hipóteses, se é pra “frequentar uma universidade”, acredito que, por exemplo, um advogado deveria ir num dia para a faculdade, e em outro para um escritório de advocacia. Isso até tenta ser aludido pelo que se conhece como estágio. Os estagiários de hoje são os aprendizes de antigamente. Porém é muito pouco tempo de estágio. Você passa 5 anos numa faculdade e depois passa os primeiros 5 anos de sua atuação profissional aprendendo de verdade como trabalhar.

O estágio deveria ocupar 50% – ou muito mais – do tempo de uma formação profissional.

Vale a pena fazer faculdade?

Fazer faculdade vale a pena mesmo?

Fazer faculdade vale a pena mesmo?

De todo modo, um curso universitário PODE lhe abrir caminho para um nível de vida consideravelmente melhor. Depende muito de você acertar algumas escolhas. Você quer dinheiro? Quer fazer o que gosta? Quer uma vida dedicada para alguma causa maior que você? Nem sempre sua vocação lhe permitirá juntar essas opções numa mesma profissão. Acontece MUITO de aquela atividade que você gosta não ser muito valorizada no mercado. Por exemplo, você pode adorar cálculos. Mas uma faculdade de engenharia vai lhe permitir uma renda razoavelmente maior do que a de um matemático, por exemplo. Você pode gostar de ciências humanas. No entanto um curso de direito ou jornalismo lhe oferecerá muito mais oportunidades financeiras do que um curso de Sociologia, por exemplo. Medicina também oferece n especializações, algumas mais rentáveis que outras. É preciso saber o que se quer e tentar conciliar o que se quer com os dons que trazemos conosco.

Essa questão levantada no parágrafo anterior depende muito da sorte da pessoa também. Um matemático pode conseguir uma oportunidade em bancos, em grandes indústrias, etc. É mais difícil mas não é impossível. Um sociólogo pode conseguir boas oportunidades em cursinhos pré-vestibulares, ou na docência, etc, dependendo de seus talentos.

Sorte ajuda bastante. Então leve esse item em conta também em suas escolhas.

A faculdade da vida

Faculdade da vida já é um termo meio clichê, porém necessário, real, significativo. Já vi muitas e muitas pessoas com pouco estudo mas muita noção das coisas. Pessoas com uma capacidade ímpar de agir e alcançar resultados positivos com sucesso. Entendo e respeito quem diz orgulhoso que “minha faculdade foi a faculdade da vida”.

Veja bem. Estudo é legal. Conhecimento ajuda. Mas o maior e verdadeiro legado que uma faculdade vai lhe deixar é saber como encontrar o conhecimento que você vai precisar depois de formado.

Quanto ao resto que se aprende numa faculdade, acredito até um tanto intransigentemente que a teoria só serve para a prática, então como se pratica muito pouco o que se aprende na sala de aula da faculdade, praticamente tudo que é visto se torna um tanto inútil e será rapidamente esquecido.

A prática se adquire praticando. E é vivendo que se aprende a viver. É trabalhando que aprendemos a trabalhar. A vida é prática. E nenhuma sala de aula vai lhe ensinar a viver.

Estude, faça o seu vestibular, já que não há outro jeito, e complete seu curso superior. Mas não perca de vista que é a vida que irá lhe ensinar as coisas realmente importantes.

O verdadeiro empreendedor não depende de diplomas, e sim de sua capacidade de aprender o que precisa aprender, esteja onde estiver. Portanto, se por algum motivo qualquer você não puder cursar um curso superior, não se preocupe. Há (muita) vida além da faculdade.