Há algo que me chama a atenção na comunicação.

O fato de textos antigos, seculares, bem como sons gravados há muito tempo, ou programas televisivos reprisados e mesmo, atualmente, vídeos do youtube já com alguns anos de existência serem capazes de modificar nosso estado emocional como se tivessem sido criados no exato momento em que os lemos, ouvimos ou assistimos.

As mensagens humanas têm essa propriedade de transcenderem o tempo, e de se reavivarem no exato momento em que estão sendo absorvidas.

Há no hermetismo uma lei chamada Lei da Vibração. Ela afirma:

“Nada está parado, tudo se move, tudo vibra”

De uma forma que não sei exatamente como colocar, percebo que não importa o que existe, materialmente. Importa o que vibra. É a vibração sonora, visual e eletromagnética das mensagens – e também das letras num texto – que são verdadeiramente vivas e, de certa forma, imortais.

Há mensagens milenares em papiros, paredes de pirâmides e pedras que ressuscitam a cada vez que são reinterpretadas.

É a vibração que traz as coisas à existência, e não necessariamente o contrário.

Na Bíblia há uma passagem muito conhecida e enigmática que diz:

E o verbo se fez carne.

Era o modo primitivo que os antigos tinham para dizer que é a vibração da palavra que traz as coisas para a existência.

Só falta aprendermos a usar isso a nosso favor.

Rituais

Até algum tempo atrás eu considerava rituais uma forma primitiva do ser humano tentar se re-ligar a Deus. Também considerava certos cerimoniais superficiais demais, muito centrados em aparência e não nos fundamentos que levavam ao cerimonial.

Assim pensei até ter entrado para uma ordem iniciática totalmente baseada em rituais.

Quando vi pessoas bem posicionadas na sociedade se sujeitando a rituais, compreendi que ali tinha algo que eu não enxergava antes.

Hoje, me está fácil compreender que um ritual é uma forma de re-vibrar certas sintonias espirituais. E é nessa re-vibração constante que as coisas podem ser trazidas à existência.

Se você notar, verá que todos os eventos sociais são centrados na formalidade da coisa. É a forma sendo re-vibrada. Casamentos, formaturas, eventos religiosos e outros eventos baseados numa cerimônia nada mais são do que cenas arquetípicas humanas sendo revividas.

Mas de forma geral, rituais e cerimoniais na sociedade tem sido vivenciados sem que se saiba exatamente o intuito da vivência.

É algo que pode ser mais estudado.