Se balançando na imaginação

Se balançando na imaginação

As histórias de ficção poderiam ser resumidas assim: Começa com tudo bem. Então algo dá errado. O herói se esforça, e consegue fazer tudo voltar a ficar bem. E todos são felizes para sempre.

Me perdoem os afeiçoados por romances e afins, mas a literatura de ficção me parece uma grande perda de tempo e energia. Tudo bem que há histórias interessantes e empolgantes, muitas repletas com passagens perfeitamente possíveis e inspiradoras, outras até com passagens com as quais nos identificamos plenamente.

Mera distração

Mera distração

Mas de modo geral você passa uma vida inteira lendo, assimilando significados e pontos de vista ficcionais dos autores, e no entanto, continua sem saber nada da vida, ou crente de que sabe, no entanto, baseado em filosofias fantasiosas ou totalmente equivocadas em relação à realidade. Quando não, segue patinando e revivendo sempre os mesmos problemas, sem conseguir dar conta da própria vida.

Tentar adquirir experiência apenas com teoria é como tentar matar a fome apenas lendo o cardápio.

Porque a realização de um ser humano jamais significará apenas conhecer tudo em teoria. Ser humano também é manifestar força individual, transformar a sociedade para melhor, construir algo de valor. Isto é, não apenas saber, mas saber fazer. E pode rolar uma frustração muito grande quando o sujeito sabe muito (ou pensa que sabe muito) e não consegue expressar todo esse conhecimento em sua plenitude, na prática.

Livros não são importantes por si. Importante é o que você consegue fazer da sua vida depois de lê-los.

Importante é fazer com que a história de sua vida mereça ser escrita num livro, mesmo que jamais tenha lido algum.