Stephen Batchelor em Budismo sem crenças, A consciência do despertar:

Se, na praia, tentarmos evitar a onda enorme que vem em nossa direção, ela nos jogará contra a areia, ao arrebentar, e se desfará.

Mas, se a encararmos com a cabeça erguida e mergulharmos em sua direção, descobriremos apenas água.

O que é confiar?

Se jogue na vida!

Se jogue na vida!

Confiar é basicamente mergulhar na vida.

É largar a necessidade de controlar as coisas.

Quando inseguros, sentimos que precisamos controlar as coisas, por medo de que elas deem errado.

Temos medo de que as coisas deem errado para não desagradar nossos caprichos vaidosos.

Nossos caprichos querem que tudo esteja certinho e ajeitadinho para garantir nosso conforto.

Queremos garantir nosso conforto como um modo de garantir nossa sobrevivência.

Precisamos garantir nossa sobrevivência porque há riscos de morrermos.

E a morte realmente é o fim. Porém poucos são os riscos de morte atualmente.

De modo geral os riscos que tanto nos amedrontam e que nos empurram para dentro do castelo construído com as pedras do conforto não são riscos efetivos.

Apenas viva

Para vivenciar cada momento, precisamos confiar no futuro, e nos livrar das expectativas, apreensões e preocupações com o que virá.

Liberte-se da necessidade de controle.

Não deixe de ter planos, mas viva o presente e permita que o futuro venha até você.

Confiar é ser incondicional, desapegado e livre de dependência.

A confiança nos aproxima do estado de espírito mais livre, independente e feliz, aquele estado de abertura e aceitação, isto é, o estado de quem mergulhou de cabeça com a certeza de que a água estará lá embaixo para recebê-lo após o salto.

Texto de 31 de dezembro de 2010.