De 01 de setembro de 2000.

***

Eu olho a janela, e só olho
Vejo a vida, caminhos e desvios
Vejo-me lá, sinto-me perdido
E aos sons tristes, só olho
Dourada é a luz da manhã
Quisera que me esquentasse
Ah, se alguém me esquentasse
Tantas, e só uma a doar-se
Uma personalidade não existe…
…no meu mundo, o amor não existe
está tão vazio, não há por andar
e vejo-me aqui todo perdido
Lamentos, lamentos e só lamento
A insensibilidade faz-me sofrer,
e esperar, e alude-me a ilusão…
E aos sons tristes, só olho
Sendo incompatível estou fora
Das vivências da vida
Me enganam os fatos
E os meus carentes atos
Só esperam a atenção de alguém
E o gosto é salgado…
Pois que o sinto por…
…só olhar…

/ Ronaud Pereira /

***

Veja outros poemas