Segundo o dicionário Aulete, corrupção tem os seguintes significados:

1. Ação ou resultado de corromper(-se)

2. Adulteração das características originais de algo; DESVIRTUAÇÃO; DETURPAÇÃO

3. Decomposição orgânica; DETERIORAÇÃO; PUTREFAÇÃO

4. Soc. Ato ou efeito de subornar, vender e comprar vantagens, desviar recursos, fraudar, furtar em benefício próprio e em prejuízo do Estado ou do bem público; ALICIAÇÃO

5. Fig. Degeneração moral; DEPRAVAÇÃO; IMORALIDADE; PERVERSÃO

Marcha contra a corrupção, em Brasília - Foto de Givaldo Barbosa

Ir para as ruas é legal, mas não é o suficiente. Foto de Givaldo Barbosa

Corrupção é o ato de quem se corrompe; de quem se corrompeu em relação aos seus valores morais que definem o que é certo e o que é errado; valores esses quase sempre incorporados do grupo do qual o indivíduo faz parte. A pessoa íntegra é aquela que se pauta unicamente por seus valores do que é certo, e é capaz de se sacrificar por eles.

Jesus, Sócrates e outros mártires são exemplos do que é preferir morrer do que corromper os próprios valores.

Já quem opta pelo caminho mais fácil, o caminho condenável, no qual se recebe mais, sem nada oferecer em troca (ou oferecendo menos do que o justo), está se corrompendo, porque optou pelo caminho dos bandidos. Ora, é mais fácil conseguir 100 reais apontando uma arma na cabeça de alguém, mandando a pessoa passar a grana, do que trabalhar, oferecer algo de bom para os outros e esperar 30 dias para receber sua remuneração.

O caminho correto é mais estreito e árduo. Por isso, para boa parte das pessoas, o errado passa a não ser tão errado assim, porque o certo é mais difícil de realizar e de manter. O errado passa a não ser tão errado assim na medida em que meus iguais também agem errado.

É muito difícil não ser corrupto em nossa sociedade. Exige um esforço maior e um sacrifício maior. Porque o corrupto sempre tem uma vida aparentemente melhor – por mais que seja uma vida baseada em desonestidade e sujeira – e nós também queremos uma vida melhor e mais fácil.

Afasta de mim este cálice

Afasta de mim este cálice

Normalmente prestamos atenção às grandes corrupções, aos grandes desvios de dinheiro público, e também ao lobby de grandes empresas para conseguirem facilidades jurídicas com o governo, para se manterem e aumentarem seus lucros.

Mas a corrupção se encontra também, porque ali nasce, nos pequenos atos de cada indivíduo do povo. Sem contar aquela corrupção eleitoral clássica, na qual o infeliz dá seu voto e de sua família em troca de um sacolão, de uma carrada de areia ou tijolos, ou de um emprego depois das eleições ganhas, as pequenas corrupções podem ser muitas, e diárias:

Uma carteirinha de estudante falsificada para conseguir meia entrada no teatro ou cinema; Ficar com o troco errado que o atendente nos deu a mais na loja; Pedir para o prestador de serviço fazer uma nota ou recibo mais alto do que o valor pago, para entregar na empresa e ser reembolsado com um valor maior do que o pago pelo serviço; Parar na beira da estrada para saquear um caminhão de carga qualquer que tenha tombado; Puxar um gato de internet, tv a cabo, luz ou água e não pagar pelo serviço utilizado; Utilizar produtos piratas; Fazer maracutaias burocráticas para pagar menos impostos; Comprar mais do que precisa numa promoção, só porque  tá barato; Deixar de estudar, ou trabalhar ou fazer o que tem que ser feito para ficar se distraindo com qualquer besteira na internet; Dever e não se sacrificar pra sobrar dinheiro pra pagar sua dívida; Emprestar e não devolver; Prometer e não cumprir;

Nem só com dinheiro se corrompe

Nem só com dinheiro se corrompe

Quantas coisinhas, não? E como é difícil não fazer parte disso tudo. É por essas e outras que pessoas de conduta ilibada são tão respeitadas. Porque são integras, firmes e incorruptíveis. São pessoas fortes.

E como se vê, nosso Brasil carece de pessoas fortes.

A diferença entre a pequena corrupção e a grande está no poder que a pessoa tem. Mas o ato é o mesmo, a intenção é a mesma, só muda a dimensão das consequências.

Pode ser injusto compará-las, já que aparentemente, um desvio de 10 bilhões causa mais prejuízo à sociedade (já que este dinheiro deveria estar financiando hospitais, escolas, segurança e projetos sociais) do que a dona maria que ganha uma boa aposentadoria do marido falecido, mas entra na fila de doações só pra levar um sacolãozinho pra casa. Mas comparar a grande e a pequena corrupção é um modo de compreender como o ato em si está impregnado na cultura e comportamento do povo, em especial, o brasileiro. Ora, o político surge do seio do povo e é escolhido por este, com base, logicamente, em seus critérios corrompidos e, portanto, enviesados.

O fim da corrupção se encontra na conscientização do povo, não só educação, mas conscientização mesmo. As pessoas precisam entender que devem fazer o certo porque o certo é o certo a se fazer (sic) e pararem de justificar seus pequenos delitos “porque é mais fácil, ou porque alguém também faz, ou faz pior”.

Esse textinho rola pelo Facebook e resume bem o que é corrupção, embora não a cite em nenhum momento:

“O problema do Brasil são os políticos? NÂO!

O problema do Brasil é VOCÊ! Você que não quer estudar, que reclama da segunda-feira, que não quer trabalhar, que só pensa em feriado, só fala em futebol, só quer saber de baladas, só escuta musica imoral, quer ser sustentado pelo bolsa-família, pelo pai, mãe, avós, tem preguiça de levantar cedo, não sabe votar, não discute sobre politica, só sabe reclamar, não tem iniciativa e não se importa com o futuro do seu País.

Então… você é o único culpado”