Massacre em escola deixa o Rio de luto

Massacre em escola deixa o Rio de luto

O Rio de Janeiro, que vinha vivendo um clima estimulante de pacificação nos últimos meses acordou no dia 7 de abril com uma triste notícia. Várias crianças foram assassinadas fria e cruelmente por um indivíduo insano.

Em todos os veículos de comunicação encontramos “especialistas” arrotando seus pitacos sobre “os motivos” de uma brutalidade como aquela. No twitter vi um cara meio paranóico – como eu mesmo – dizendo que de alguma forma aquelas crianças mereceram o ocorrido. Senti repugnância pela falta de bom senso do sujeito.

Porque agora não é hora de encontrar motivos. Não é hora de encontrar culpados. “Armas nas ruas”. “Influência da internet”. “Insanidade mental”. “Falta de segurança nas escolas”.

Nada disso pode ser considerado motivo.

E nada vai trazer as crianças de volta.

Acho que o mais propício ao momento é o silêncio. É a reflexão. É acordar e constatar: É, o mundo é cruel. A realidade é dura. Viver dói. Viver significa estar sujeito a morrer das formas mais medonhas. Acho que agora é hora de refletirmos e enxergarmos que, enfim, este é o mundo que temos. Ele é assim mesmo. É um mundo insano. É inseguro. Não há nada que se possa fazer. Fatos como o massacre do Rio já ocorreram na Alemanha e nos Estados Unidos, países altamente desenvolvidos. Infelizmente é bem provável que outros ocorrerão ao redor do mundo no futuro.

É hora de enxergar a realidade e aprendermos duramente, e comovidos, a conviver com ela.