Fala que eu te escuto, Sheherazade

Fala que eu te escuto, Sheherazade

Esses telequituais de esquerda são um caso sério.

Não gostam da (jornalista) Raquel Sheherazade mas só falam dela, o tempo todo. Deixei de seguir três no feice.

É intolerância demais pra quem se presume “aberto”.

Não dá pra levar a sério gente que, se pudesse, impediria alguém de expor a própria opinião. Opinião que representa, inclusive, a opinião da maioria dos brasileiros.

Ah essa democracia, que só é linda quando concorda comigo.

Minha leitura desse tipo de mentalidade doentia é a seguinte:

“Como pode Ela, que pensa “daquele jeito”, estar lá, alcançando milhões e milhões de pessoas, e euzinho aqui, tão inteligente, tão humano, tão sensível com a causa humana, ter só algumas dúzias de ouvintes? Não posso aceitar isso. Mundo, você está muito errado (batendo o pezinho no chão de raiva).”

Discordo de MUITO do que ela diz, na verdade, nem a assisto.

Mas desejo toda a sorte do mundo para Raquel Sheherazade.

Quero vê-los aprender com quantas opiniões diferentes se faz uma democracia.

Quero ver essa gente esperneando de recalque, até cansar.

Sobre dar fama

Quanto mais a Esquerda fala da Raquel Sheherazade, mais fama está dando a ela. É lindo de ver.

A mulher só vem se fortalecendo, e segue blindada.

Eu mesmo não teria criado um post neste site sobre ela, se eles todos não estivessem revoltadinhos com a jornalista, pois, como comentei, não a assisto.

Sempre que alguém se dá o trabalho de comentar que algo é irrelevante, está automaticamente conferindo relevância para o que quer desqualificar. O irrelevante não chama a atenção.

Fica a dica: Se você não gosta de algo e não quer ver esse algo alcançar fama, não fale dele.

Nem olhe.

Na economia da atenção, não importa se a atenção é positiva ou negativa. O que importa é fazer barulho, o que se traduz em cliques, vendas e pontos de Ibope.

Em bom português: não gosta? Ignore, em vez de ficar criticando. Isso não significa que “é feio criticar”. Significa que a energia que você gasta criticando se traduz em sucesso para os fenômenos que você critica. Gaste seu tempo como se fosse dinheiro: com o que você acha que vale a pena. Porque quem recebe esse tempo muitas vezes o traduz em dinheiro. Critique, sim, o que mereça seu tempo – especialmente se não for capitalizar em cima da sua raiva.

Na internet, “sua inveja faz o meu sucesso” não é frase de pára-choque de caminhão. É modelo de negócios.

Fonte

Veja mais

Dois textos recomendadíssimos sobre o assunto:

Rachel Sheherazade e a criminalização da opinião diversa

O povo não é de esquerda

…e a resposta de Raquel às críticas

…e a defesa de um colega de trabalho dela: