Quem me conhece sabe que questiono MUITO toda e qualquer instituição cristã.

Embora reconheça que elas têm sua utilidade na sociedade, as igrejas católicas e evangélicas têm muito o que ser questionado, tanto em seus atos quanto em suas ideologias.

Mas nunca questiono Jesus, ou a versão de sua vida relatada nos quatro evangelhos.

O pouco que se sabe de Jesus nos mostra um homem que teve uma vida belíssima e corajosa.

Jesus é na verdade o único “cristão” cujas ideias eu respeito.

No que toca à ideologia que seguem todos os outros cristãos que vieram depois dele, supostamente proposta por Cristo, eu respeito muito pouco.

Quase nada.

Porque entenderam tudo errado.

TUDO. ERRADO.

E além de terem interpretado as palavras de Jesus de modo bastante pessoal e, naturalmente, equivocado, ainda inventaram toda uma aura em torno do mestre, que ele próprio evitava. Complicaram o que era simples.

Já aconteceu muito de, durante conversas a respeito desse tema, eu conseguir questionar atos de cristãos com base justamente na vida e no exemplo de… adivinha?

Sim, do próprio: Jesus.

E não é nada difícil questionar isso tudo, não estou me orgulhando disso, porque não é difícil encontrar por aí:

Gente gananciosa, que adora a um sujeito que viveu sem nada.

– Gente intolerante que rejeita o diferente, mas que adora a um sujeito que acolhia a todos: pobres, doentes, prostitutas. (Ou você acha que Jesus andava com gente bonita igual a você?)

– Gente que afirma que ele é o único senhor e salvador, quando ele JAMAIS pronunciou tais palavras a respeito de si mesmo, e, humilde como era, se sentiria PÉSSIMO sob este título bastante hierárquico, quase militar.

Porque uma habilidade muito própria dos cristãos é adorar a figura mística de Jesus, alardar suas palavras aos quatro ventos, mas seguir o exemplo dele de forma absoluta e precisamente INVERSA.

Mas se eu falo, o pessoal não gosta, acha ruim. Para eles, há uma total conexão entre as igrejas, suas pregações e a vida do Cristo.

Não, não há.

Ele foi basicamente um sujeito que deu a própria vida para percebermos a importância de olharmos ao outro com um olhar mais humano, isto é, mais tolerante e compreensivo.

Enfim.

Não tenho qualquer sensibilidade espiritual, mas posso ver a reação de Jesus a todo esse fiasco que foi a trajetória cristã nos últimos 2000 anos.

Uma cena provável a cada bobagem que você aí faz em nome dele

Uma cena provável a cada bobagem que você aí faz em nome dele