As mulheres reclamam bastante que vida de homem é mais fácil e bla, bla, bla. Sim, pra não arrumar encrenca, confirmo que a vida macha é mais simples sim, e por consequência, mais fácil. Porém de modo geral as mulheres não sofrem com um mal que atordoa a vida de cerca de 60% dos homens.

A calvície. Ou como diz meu pai, a carequeira :)

 

A causa da calvície

A ciência, de modo geral, atribui a causa da calvície a fatores genéticos, como costuma definir a causa de qualquer doença cuja causa verdadeira ela desconheça ;) Quando o padre não conhece a causa de uma tragédia, atribui à vontade de Deus. Já os médicos, quando desconhecem a causa de algum mal, atribuem à vontade da genética, isto é, a nada mais além do acaso.

Particularmente, tenho minhas dúvidas. Chutaria fácil que no mínimo 50% da alopécia é puramente emocional.

Porque a genética não determina. Ela apenas favorece alguns eventos, tornando-nos propensos aos mesmos. Porém acredito que o quê desencadeia o surgimento desses eventos não é a genética, e sim as emoções, mais especificamente, a exaltação emocional.

Como alguém que está em um lento processo de perda de cabelos desde os 20 anos ( ainda dá pra enganar :) ), e com essa minha visão não convencional das coisas, sempre observei muito essa característica por aí. Com base nessas observações e em algumas leituras, vou tentar discorrer sobre as causas psicológicas da calvície e como emoções mal direcionadas podem nos prejudicar enormemente.

Como tudo que é de natureza emocional e portanto, subjetivo, fica difícil apontar informações com precisão, e a necessidade de me fazer entender pode me levar a generalizar as pessoas em estereótipos. Você certamente encontrará exceções em meio ao texto abaixo, porém minha intenção aqui não é ser refutado, e sim demonstrar para você, que provavelmente está sofrendo com esse problema, que não somos apenas autômatos genéticos, e sim seres sociais, emocionais, sentimentais, racionais, numa mistura confusa e muitas vezes… explosiva. Espero sim expandir sua visão sobre a sua saúde e ajudá-lo no início do caminho do auto-conhecimento e do reequilíbrio interior, o qual devolverá sua saúde. A intenção aqui é demonstrar que praticamente todas as doenças, incluindo aí a alopécia, têm suas origens em comportamentos e pensamentos negativos mantidos e repetidos por um longo tempo.

Embora mulheres  em menor proporção também manifestem a calvície, e para estas o texto que segue também pode ajudar, a tendência é que nas mulheres as causas e reações comportamentais aqui apontados se direcionem para uma queda de cabelo menos acentuada, ou para outros problemas de saúde, os quais nem sempre são visíveis. O ponto aqui é que as causas apontadas neste texto tendem a resultar, nos homens, preponderantemente na perda de cabelos na parte superior da cabeça.

Veja também: Programa de Reconstrução Capilar

A causa

Depois de muito observar outros homens, e a mim mesmo, e de ler o texto de Cristina Cairo citado ao fim deste post, encontrei UMA característica que costuma estar presente em praticamente todos os homens calvos:

Sensibilidade mental exacerbada.

Todos os calvos, via de regra, são dotados de uma característica mental recorrente: Um intenso foco mental. Um detalhismo exacerbado que tende a se direcionar para diferentes áreas. Essa sensibilidade mental extremada pode resultar em quatro posturas distintas:

– Uma sensação negativa das coisas e da vida, porque tudo incomoda, nada tá certo, o mundo é injusto; em tudo se enxerga contrariedades, defeitos, dúvidas, hesitações, criando uma necessidade de se controlar tudo para que tudo esteja certinho e funcionando. O resultado é um perfeccionismo extremado e extenuante. Não se consegue relaxar, nem desligar.

– Hiper-sensibilidade com as pessoas, dando-se atenção demasiada ao que os outros dizem ou pensam, se magoando muito fácil e ficando ressentido por dias com coisas que na verdade tem pouca importância. Postura emocional de defesa constante, como se todos quisessem o prejudicar. Tendência a repreender duramente as falhas alheias.

– Orgulho e auto-confiança excessivas, expressando-se numa postura exibicionista, impondo-se demais porém sem conseguir os resultados desejados. É o caso da autoridade frustrada. Intensidade emocional ao se comunicar. Cada palavra parece uma explosão. Também há a tendência a apontar os defeitos alheios e expressar-se com indiscrição.

– Insatisfação crônica com uma dada circunstância e a sensação de impotência para mudá-la.

***

Todas essas posturas, que podem estar todas presentes no indivíduo, em menor ou menor grau, acabam gerando na pessoa a sensação chave para se explicar a calvície:

A sensação íntima e CONSTANTE de opressão.

Esta opressão é muitas vezes vivida como se fosse normal. Mas a opressão — quando tudo lhe parece contrariar, quando todos lhe parecem atingir, quando sentir-se frustrado com seu desempenho, ou quando se quer mudar uma situação e não se consegue — ou explode em surtos de raiva e nervosismo, ou são absorvidas formando um poço interior de mágoa, ressentimento e angústia. Essas reações dependem da predisposição do indivíduo e imagino que em alguns, tendem a se alternar.

Segundo as autoras Louise Hay e Cristina Cairo (cujo texto sobre esse mesmo tema se encontra mais abaixo), baseadas em conhecimentos orientais, a queda dos cabelos significa desrespeito para com autoridades. Faz sentido, porém me parece uma visão simplista. Por isso vale explicar que autoridade aqui não significa somente o patrão ou o pai ou o policial e sim toda e qualquer circunstância envolvendo coisas ou pessoas que de alguma forma gere no indivíduo uma sensação de opressão angustiante e, principalmente, prolongada.

Veja também: Programa de Reconstrução Capilar

As reações

Mania de controle

Devido a esse refinamento mental tendem a se “incomodar” com tudo. Tudo poderia ser diferente e melhor. Como tudo incomoda, tendem a desenvolver uma mania de controle exagerada sobre a vida, sobre as coisas e as pessoas, para que essas coisas não cheguem a situações ainda “piores”. Como não conseguem esse controle, muito pelo contrário, se sentem presos pelas circunstâncias as quais tentam ilusoriamente controlar, tendem a se sentir o tempo todo com uma forte sensação de desconforto íntimo. Para que finalmente consigam relaxar e sossegar, tudo deve estar nos conformes… bom, eles raramente conseguem relaxar e sossegar, porque as coisas nunca ficam 100% nos conformes.

Irritados, nervosos

Como as coisas não costumam ser do jeito que esperam que fosse, para não os incomodar tanto, e para não se sentirem tão vulneráveis, se irritam facilmente, com pessoas ou com circunstâncias. Bravos, nervosos, estourados, ressentidos.

Levam tudo muito a sério

Apresentam forte vulnerabilidade às pressões externas. Prestam atenção demais ao que os outros falam, às aparências, que exigem dele muito além do que ele é capaz de atender. Ou muito além do que ele autenticamente quer. Se sentem atingidos com facilidade, seja por uma opinião, uma crítica, uma situação ambiental desconfortável, etc. Não conseguem se levar na brincadeira, ou rir de si mesmos. Esse comportamento leva a uma sensação contínua de opressão. Mas essa opressão não é sentida explicitamente, ao contrário, na maioria das vezes, se acostumaram a esse comportamento íntimo, de modo a pensarem que é normal. Mas não é.

Cristina Cairo afirma que a calvície é fruto de uma postura antagônica às figuras de autoridade em nossa vida. Faz sentido. Dentro desse mesmo enfoque, o homem sente-se contrariado na medida em que se vê “obrigado” a enfrentar situações que não deseja, devido à pressão das figuras de autoridade e das próprias convenções sociais.

O comportamento também é genético

Uma vez vi um conhecido ator, num programa de entrevistas, com seu pai. Era época próxima ao dia dos Pais e a homenagem era para o pai do ator. E em certo ponto da conversa o ator lembrou que uma das características mais marcantes de seu pai era o constante embate verbal. Na hora entendi o porquê da acentuada calvície de ambos. Eu entendo isso como uma necessidade viceral ali naquele caso passada de pai pra filho de se estar sempre certo. Ou seja, teimosia demais em relação à idéias. Marcou também o comentário do pai do ator de que desejava que o filho estudasse advocacia numa época em que as artes eram consideradas coisa de vagabundo, e que só depois de muito tempo veio entender que o filho fizera a decisão correta pela arte, quando este alcançou, enfim, a fama. Quer ficar calvo? Encontre um meio de viver se sentindo sempre contrariado, insatisfeito, dubitoso, seguindo sempre incerto com a sensação de se estar no caminho errado. É infalível.

Veja os mendigos da rua. A maioria tem fartos cabelos – mal cuidados, é verdade – mas são abundantes. Por que? Porque não se preocupam com nada, não assumem compromissos com ninguém, estes sentem-se verdadeiramente livres, leves e soltos. Como vivem em intenso desconforto, provam que esse mesmo desconforto não os incomoda.

É uma questão de equilíbrio emocional diante de situações críticas que, nos calvos, acabam afetando sua vulnerabilidade interna. Observe os homens que mantem farta cabeleira já depois dos quarenta anos, momento da vida que mostra que a probabilidade de desenvolver calvície é menor. Normalmente são homens centrados e impassíveis. Vejo alguns até com uma certa cegueira sensorial, as coisas do ambiente os incomoda muito pouco. Também não dão um passo sequer além do que acreditam ser capazes, de modo a nunca expor sua integridade pessoal a possíveis riscos. É comum não utilizarem de todo o seu potencial, mas parecem não se importar muito com isso. Lembro de dois senhores de idade já adiantada que mantinham farta cabeleira: ambos nunca assumiram grandes desafios na vida, eram bastante tímidos e viveram a vida toda em seu mundinho rotineiro e previsível. Não conseguiram grandes coisas na vida, mas conseguiram manter os próprios cabelos na cabeça. O que é melhor? Não estou aqui endeusando este ou aquele comportamento, muito menos sugerindo-os. Estou apenas fazendo um convite à observação.

Tormento

O homem vivencia repetidamente, dia após dia, algum tipo de tormento, seja pressão dos outros, auto-cobrança e cobranças externas, falta de senso de realidade, se deixando dominar por conceitos irreais do mundo, falta de jeito com as coisas, vulnerabilidade às opiniões dos outros, a mania de controle, ao nervosismo com as coisas do dia a dia. E o pior: Não sabe como se resolver, tem muitas dúvidas, outros tantos receios e muito pouca coragem de enfrentar o que lhe incomoda.

Por que no alto da cabeça?

O fato é que todos tem uma parte do corpo na qual focam a maior parte de suas energias. Casanova não contraiu sífilis à toa ;) A calvície ocorre na cabeça porque o intelecto é a parte que a pessoa se foca mais com seus tormentos, insatisfações e sensações de inferioridade e impotência. E aqui faz sentido o conceito de autoridade proposto pelas ciências orientais. A opressão intimamente sentida tira do indivíduo a autonomia sobre sua própria vida. Figurativamente seria como se o homem tivesse peso demais sobre sua própria cabeça. O texto ao fim do post explica melhor como ocorre a interrupção do crescimento dos fios.

Tá, mas e daí? O que se pode fazer?

É difícil vir aqui e sugerir certas posturas, principalmente quando não há um estudo comprovando a eficácia das sugestões. Porém algo que pode ser sempre sugerido é a busca pelo equilíbrio emocional diante das situações críticas da vida. Coisa que este site vive apontando nos vários textos meus e de outros autores aqui disponíveis.

Depois de algum tempo observando, comecei a perceber que todos os homens com mais de 40 anos que ainda preservam ao menos parte de seus cabelos, tendem a adotar um comportamento idêntico, o qual eu diria que é mais… calmo, centrado, pé-no-chão, muitas vezes até mais do que deveriam :) Também tendem a levar tudo mais na esportiva.

– Embora não seja tão simples, uma boa sugestão é observar como os homens com mais de 40 anos não-calvos REAGEM as situações mais delicadas, como portam-se diante das pessoas e das contrariedades. E tentar incorporar essas reações para si.

– Solte suas preocupações. Evite ao máximo permanecer ansioso e preocupado. Distraia-se com atividades relaxantes. Concentre suas preocupações apenas com o estritamente necessário.

– Deixe que as pessoas sejam elas mesmas. VIVA E DEIXE VIVER.

– Ser FORTE não significa ser teimoso ou negar, ser FORTE é soltar, aceitar, adaptar-se, confiante em suas idéias. Aprender a repreender os outros somente quando necessário, com carinho e discrição, sem surtos de raiva, também ajuda.

– CONCENTRE-SE EM VOCÊ E NO QUE ESTIVER FAZENDO.

– Acredito que as palavras-chave aqui são TRANQUILIDADE, CALMA, CONSCIÊNCIA. Conseguir manter-se intimamente tranquilo na maior parte do tempo e das situações certamente o ajudará. Fuja de situações que o deixam tenso. Evite a tensão e o stress prolongados. Os ganhos que você consegue à custa de stress pagam a perda de sua integridade e saúde? Deixe a ansiedade de lado e dê tempo ao tempo. Certamente, se você continuar desenvolvendo-se, reagirá as situações que lhe são mais difíceis, aos 50 anos, de forma muito mais segura e estável do que aos 30. Enfrentar desafios é salutar, mas não force a barra, modere sua ambição. A experiência de vida nos ajuda muito e só a obtemos… vivendo e dando-se tempo para aprender e desenvolver-se. Ninguém nasceu pronto. Somos seres em constante evolução e aprendizado.

– Não aja como o tiozinho do vídeo abaixo por nada nessa vida.

Um caso extremo

Eu não tenho nenhuma dúvida a respeito do porquê do tiozinho do vídeo estar completamente careca. Observe o intenso envolvimento emocional do indivíduo com algo que é absolutamente nulo para a sua vida. Se o time ganhar ou perder, provavelmente nada mudará em sua vida, porém quem assiste o vídeo jura que o que está em jogo é questão de vida ou morte. Assista porque além de instrutivo, é engraçado.

********

Veja também: Programa de Reconstrução Capilar

CALVÍCIE

Por Cristina Cairo, retirado do livro A Linguagem do Corpo e divulgado no site da autora.

Muitos homens e mulheres que hoje têm queda de cabelos ou que já sejam calvos, provavelmente se sentirão ofendidos ao lerem essa mensagem. Gostaria, entretanto, que isso não acontecesse e que houvesse compreensão por parte do leitor, pois o que eu digo a seguir servirá de apoio para o seu autoconhecimento e desenvolvimento comportamental.

Toda observação colocada aqui foi desenvolvida através de pesquisas e estudos com bases milenares nas medicinas chinesa, japonesa e indiana. Portanto, minha intenção é fazer com que todas as pessoas passem a se conhecer melhor e, a partir daí, sejam capazes de trabalhar seu próprio aperfeiçoamento.

Kami é a palavra chave para a saúde dos cabelos. Kami, em japonês, além de significar cabelo, significa superiores e Deus.

Os cabelos nascem na parte superior da cabeça, que é o ponto mais alto do nosso corpo. A queda de cabelos acontece àqueles que desrespeitam seus superiores, seja por palavras, seja pela conduta ou mesmo porque os ignoram (superiores simbolizam áqueles que não pensam como nós, e impõem suas idéias com autoridade e desprezam a verdade do outro, que podem ser pai, mãe, avós, patrões ou qualquer pessoa que tenha poder financeiro ou emocional sobre nós). O calvo nasceu para ser líder e não suporta autoridade sobre sua vida, não aceita ninguém tentando mudar seus planos de vida, porque vivem para controlar e organizar sua própria vida e a vida dos outros. “O calvo é a melhor pessoa para lhe dar informações quando você está perdido na rua, porque ele será perfeccionista, atencioso, e provavelmente levará você até o local, enquanto que os cabeludos, são atenciosos, porém, pedem para que você prossiga e pergunte no posto de gasolina”.

Até muitos líderes religiosos são calvos na região parietal. Eles acreditam que estão despertando espiritualmente, entretanto, apenas possuem o conhecimento da palavra de Deus e tornam-se muitas vezes presunçosos.

Pessoas que desejam brilhar e se destacar muito têm tendência a se tornarem calvas, pois tornam-se extremamente orgulhosas.

Existem dois fatores muito fortes que causam a calvície: a tendência a controlar tudo (não podendo ser contrariado) e um orgulho fortíssimo que chega a cegar. Há também o caso das pessoas hipersensíveis que se magoam com as atitudes, até sutis, de outras pessoas e costumam guardar esse ressentimento no coração por muito tempo ou… para sempre!

Aqueles que vivem inconscientemente sempre se defendendo de ataques imaginários – e como defesa acionam suas glândulas sebáceas – causam maior oleosidade no couro cabeludo e costumam ser vítimas da calvície.

Alguns animais quando se sentem acuados, liberam um odor repelente, mudam de cor ou produzem um aumento de gordura na pele para se tornarem escorregadios e conseguir uma chance maior de escapar do inimigo, ou afugentá-lo. Isto acontece também com o ser humano, desde que ele possua certas crenças primitivas que o levem a se defender constantemente. Este fato não significa absolutamente que uma pessoa assim seja primitiva em sua conduta, mas apenas que ela age acreditando que este mundo é hostil.

Quanto à afirmação de que a calvície é um problema hereditário, o que posso dizer é que ser transmitido de pai para filho não é o problema em si, mas sim o temperamento atávico que se desenvolve pela educação. Em outras palavras, o que acontece é que o pai traz consigo uma crença que despeja inconscientemente em seu filho, inclusive através de atitudes.

Hoje os cientistas provam, por testes em laboratórios, que os genes sofrem transformações com o auxílio de substâncias orgânicas e químicas. Outras experiências comprovam a eficiência e o poder da energia elétrica nervosa do próprio indivíduo transformando sua escala genética.

É cômodo aceitar que a verdade da calvície está na natureza humana.

A natureza humana é perfeita! Nós é que, por falta de conhecimento, agimos na defesa ou no ataque, provocando sérios danos ao nosso organismo.

Os pensamentos diários são responsáveis pelo acúmulo de emoções boas ou ruins. As emoções “trocam” com o sistema nervoso e com o cérebro e, através de outros estímulos nervosos enviam agentes químicos como resposta. Esses agentes químicos vão trabalhar de forma a destruir ou reconstruir as células sobrecarregadas por aquele estímulo nervoso. Veja: se o pensamento for negativo, a emoção será negativa e enviará ao cérebro um chamado de “socorro”. Este, por sua vez, mandará, rapidamente, um “exército” de agentes químicos para o local do conflito e assim começará o “massacre” interno. Como, inconscientemente, cada parte do nosso corpo simboliza uma emoção, o “exército” irá atacar exatamente onde foi chamado.

No caso da pessoa calva, o ataque acontecerá no alto da cabeça, porque é ali que se encontram os superiores que “atrapalham” o brilho dessa pessoa. Assim, com a queda dos cabelos que simboliza a queda da hierarquia, os poderes pessoais e os agentes químicos terão cumprido a missão de “tirar” do caminho os que estão “acima”.

Agora queremos ajudar as pessoas calvas ou com queda de cabelos a recuperarem a sua verdadeira maestria interna e fazê-las vivenciar a paz e a harmonia com todos e, conseqüentemente, a recuperarem os seus cabelos, através da aceitação de si mesmas como seres que estão sempre aprendendo.

Quando os cabelos caem, isto é um sinal de que está faltando gratidão pelos pais e superiores e que você questiona tudo o que lhe mostram de “novo”.
Quanto à personalidade, você vive, quase sempre, nos extremos da emoção: é dócil, mas, de repente, por causa de uma discussão com alguém, ou por ter sido desprezado, torna-se totalmente agressivo. Às vezes tem vontade de quebrar tudo à sua volta e “arrancar” a raiva de seu coração. E sofre com seus próprios pensamentos de vingança e justiça.

Pare de sofrer! Fatos passados só irão afetá-lo se você quiser. Toda essa dor que você sente é porque lhe faltam segurança e auto-estima. Arranque dos seus pensamentos essa sensação de solidão e vazio e confie mais na força que o faz viver. Pare de se preocupar com o que os outros vão pensar e liberte-se desse orgulho, aceitando, com carinho, as opiniões alheias.

Seja você mesmo e assuma a sua identidade com respeito por tudo o que você conseguiu pelos seus próprios méritos.

Sempre haverá alguém mais importante do que nós em nossa escala de vida. Somos eternos estudantes e, por isso, devemos ser humildes para valer e aprender a voltar atrás gentilmente, quando errarmos ou acharmos que alguém errou em relação a nós. Essa será a maior prova de beleza interior que podemos dar.
Amigo ou amiga, se você está com dificuldade em encontrar o caminho certo dentro de suas emoções, procure aceitar a ajuda de um profissional, sem medo de perder o brilho ou seu poder. A ajuda de outrem somente funciona quando o permitimos.

Yoga, tai chi chuan, PNL – Programação Neurolingüística, psicólogos transpessoais. Tente – de todas as formas – encontrar essa saída. Mergulhe na natureza de seu ser e saiba que sua sensibilidade é conseqüência de uma riqueza espiritual mal trabalhada em seu interior.

Exteriorize, com força, tudo de bom que existe dentro de você. Seja calmo para resolver as dificuldades face aos seus opressores e acredite que, para a força vital fazer renascer seus cabelos, basta abrir as portas do amor infinito e do perdão.

Tanto faz sua idade ou sexo. A magia da paz é ilimitada e é através dela que o mundo consegue ajustar suas diferenças.

Use determinadamente a força de sua imaginação e crie um novo EU sem mágoas e com muitos cabelos.

O grande segredo é exercitar seu poder de concentração no dia-a-dia, sem se distrair com fatores externos. Concentre a sua atenção.

Perceba seu olhar; assegure-se de que ele não está “vidrado” em alguma coisa ou em algum pensamento. Relaxe e “pisque” suavemente seus olhos quando estiver conversando ou, apenas, pensando, pois com isso você provocará em seu subconsciente uma imagem sem orgulho e sem ressentimentos.

Em breve você poderá sentir como é bom poder recuar dos desafios e descansar os pensamentos e o coração, sem medo da humilhação ou sem o “medo de perder”.

Confie plenamente em sua capacidade, mas saiba abaixar a cabeça em qualquer circunstância e deixe seu poder espiritual falar por você.

O livro A Linguagem do Corpo de Cristina Cairo é todo focado nesta abordagem. A linguagem simples torna-o recomendadíssimo para consultas frequentes. Leia minha resenha sobre o livro e encontre links para a compra.

O trecho abaixo foi retirado deste texto.

O Cabelo

É governado pelo fígado de modo que a perda de cabelo se produz por que a pessoa está agarrada rigidamente ao rancor ou raiva. Quando alguém impõe sua vontade sobre os outros para simplesmente provar a todo custo o seu ponto de vista, estará trazendo à vista ressentimentos passados, ou seja, recordando-os. E são cabeças duras. Podem ter problemas com a queda de cabelos.