Este é o segundo texto de uma sequência. Leia os outros 13, 4

***

Quem conheceu minimamente a lei da atração (clique e veja vários textos sobre o tema), seja através do filme O Segredo, seja através de algumas passagens da Bíblia (Hebreus 11, Lucas 19 26, Lucas 8 18, Jó 22 28), sabe que cada um de nós tem em volta aquilo que tem espiritualmente. Isso explicaria as questões apontadas no texto anterior, a respeito do índice de grandeza pessoal de cada um, o qual definiria o nível de riqueza com a qual o sujeito estaria apto a lidar e por consequência, obter e manter, não? Sim, e isso mostra como a lei da atração tem sido divulgada de forma equivocada, pois me parece que ela não funciona com pensamentos, e sim com sentimentos e principalmente, com ações.

Eu creio sim que a lei da atração é uma lei (natural) do universo humano e funciona agora, a cada momento, para cada um. Mesmo que você não acredite nisso, sua vida JÁ É agora exatamente uma extensão/consequência de sua psique e mais, daquilo que você É intimamente. Mas minha bronca com filmes como O Segredo é o alarde de que podemos mudar nossa situação facilmente, através de pensamentos positivos, imagens positivas na parede e mesmo na imaginação, etc. Numa hipotética “teoria espiritual”, isso deveria funcionar, mas na prática não funciona, porque existe um algo mais.

O próprio livro O Segredo e outras correntes espirituais afirmam que não basta pensar positivo, é preciso “sentir positivo”. É preciso reagir positivo aos vários eventos negativos com os quais vamos nos deparando ao longo da vida, queiramos ou não. E esse me parece um dos grandes empecilhos que impedem que possamos alterar nossa realidade com a facilidade alardeada por algumas correntes espirituais new age.

Possível, é!

Mas não é tão fácil quanto pode parecer. E a ênfase aos pensamentos, em detrimento da ação, torna as pessoas passivas. Pensamentos não mudam nossa realidade por si, mas nossas ações mudam sim.

A lei da atração funciona menos com pensamentos e muito mais com posturas e ações. Já ouvi várias histórias pessoais de gente acostumada a meter a cara e fazer as coisas. Um ponto recorrente em todas essas histórias é aquela coincidência inesperada que botou todo o empreendimento (seja uma aquisição, uma construção, uma viagem, uma mudança de vida) para funcionar e se formar mais rapidamente. Ajudas inesperadas sempre fazem parte dessas histórias, mas nem todas são casuais (na verdade, creio que nenhuma é). Foi ali que entrou em ação a lei da atração, promovendo as circunstâncias adequadas para ajudar a levar a cabo a decisão inicial daquelas pessoas corajosas. A decisão inicial foi sim um pensamento, mas além dele, foi necessário vontade, coragem e ação.

Tem dúvida ainda? Então encontre uma pessoa realmente empreendedora e corajosa e pergunte à ela sobre sua trajetória. Além de você aprender muito, observará que ela não fez tudo sozinha, ao mesmo tempo em que tudo começou com ela. Ouça e confirme que a lei da atração tem muito mais a ver com CORAGEM do que com pensamentos.

E coragem não se pensa.

***

Este é o segundo texto de uma sequência. Leia os outros 13, 4