Esse enxerga longe

Esse enxerga longe

Um dos assuntos que mais me atrai é a expansão da nossa visão. Não da visão natural, mas da PERSPECTIVA que temos do mundo, das pessoas, etc. Me refiro àquelas situações em que concluímos que fulano tem uma “visão estreita”, ou que ciclano é um “visionário”. Não são admiráveis aquelas pessoas que tem a capacidade de enxergar o que ninguém vê, mais ou menos como Walt Disney enxergou o maior parque temático do mundo sobre os pântanos da Flórida?

Consigo, de forma muito pessoal e desprovida de métodos, distinguir quatro formas de visão as quais podemos vivenciar e exercer, ou mesmo, tentar ampliar, ao longo do tempo. São elas a visão de mundo, a visão holística, visão de negócio e a gratidão e reconhecimento.

Visão de mundo

Qualquer um que queira avançar na vida precisa desenvolver sua visão de mundo. Visão de mundo é como uma super visão mental que ultrapassa as aparências e enxerga o âmago das coisas. É a capacidade de situarmos nossas idéias e a nós mesmos diante de uma perspectiva geral das coisas. É a capacidade de relativizar, num mundo ansioso por generalizações.

Essa perspectiva geral das coisas se constitui de conhecimentos básicos e gerais. É saber onde se situa um país no mundo durante sua citação numa conversa. É ter noção, por exemplo, dos processos históricos através dos quais nossa civilização chegou até aqui. E também os processos históricos através dos quais nosso país chegou até aqui.

Sua visão de mundo não diz respeito só as coisas do mundo, como sua constituição geográfica básica ou sua linha histórica resumida. Diz respeito também, e principalmente, sobre como o mundo funciona. Nesse caso, convém entender minimamente de leis, de economia, e do comércio do seu bairro também. Particularmente, trabalhei por um ano e meio num mini-mercado familiar. Valorizo enormemente essa experiência pessoal, porque foi através dela que entendi toda a complexa cadeia que faz a economia básica girar, aquela que faz a comida aparecer prontinha sobre sua mesa, seja no restaurante, seja na sua cozinha.

Nossa visão de mundo só pode ser expandida de duas formas, mutuamente necessárias. A primeira é se informando. MUITO! Acompanhe um jornal qualquer, diariamente. MAS ACOMPANHE! Na internet há vários, e são gratuitos, de forma que você só precisa de interesse para acompanhá-los. Leia livros diversos. Há muitos livros bons para se ler. Há um mundo de conhecimento a sua espera, torcendo para você não passar por ele desapercebido(a). Você encontrará os clássicos da literatura em qualquer sebo por 5 reais. Agora se você preferir gastar esse dinheiro em uma cerveja e permanecer na  mediocridade, lamento por você!

A segunda forma de se expandir sua visão de mundo não é uma forma e sim um hábito. Não acredite em nada do que você vier a ler ou ouvir antes de você puder averiguar ou experimentar o que foi dito. Muitos idolatram o senso crítico. Pensam que é cult renegar tudo que é dito. Isso não é cult, é chatice. Não é isso que estou sugerindo. O que sugiro aqui é ABERTURA. Pessoas de visão tendem a ser tolerantes, PORQUE ENTENDEM que para tudo há uma razão (por mais irracional que seja). Não aceite nada de primeira, nem rejeite. Mantenha-se aberto e procure se informar a respeito. Procure sempre por outras versões da história, e elas existem, e são muitas.

Concentre-se em conhecer, e não em acreditar. Albert Einstein

É jamais perdendo a noção de que há muitas versões de cada história, e de que há infinitas formas de se fazer a mesma coisa, e de que só se é respeitado de fato quando você paga a sua conta, e de que o maior favor que você pode fazer às pessoas é deixando-as livres, e nunca esquecendo que o mundo e as pessoas são e serão sempre imperfeitos, enfim, é aprendendo a conviver em paz com essas verdades  o que fará de você uma pessoa de visão.

Leia o segundo post da série visão