Aqui no ocidente temos uma noção bastante pejorativa da palavra Karma. Achamos que karma é a cobrança no presente de uma atitude negativa feita do passado.

Sim, é isso!

Mas é também o inverso.

Também se chama karma a retribuição no presente por atitudes positivas passadas.

Pra variar, ficamos só com o significado negativo do termo. Acho que nós, ocidentais, temos fetiche por culpa, castigo, punição… Como nos é difícil compreender que o Universo (e Deus) é Amoral.

Todos sempre teremos um Karma. Mas a escolha se ele será bom ou ruim é nossa, agora.

O terreno está aí, à sua frente, e é o seu tempo de vida.

O que você vai colher amanhã depende unicamente do que você decide plantar hoje.

Fazer o que é certo

Um modo para NÃO se livrar do seu karma - Ficar sentado e meditando sobre o nada

Um modo para NÃO se livrar do seu karma - Ficar sentado e meditando sobre o nada

Nem todos que incorporam a ideia de karma no próprio dia-a-dia conseguem compreende-la por completo.

Tendemos, como dito acima, a entender o karma como uma punição por erros do passado, e quem sabe, de vidas passadas.

Os dramas e limites que você viveu, ou tem vivido, e pelos quais tem sofrido, não são uma punição, nem castigo. São CONSEQUÊNCIAS de você mesmo(a). Consequências do que você foi, e pelo jeito, continua sendo.

E sabe quando isso vai mudar?

Quando você fizer a coisa certa. E a coisa certa não é retribuir o que tem recebido. Isso é vingança. A coisa certa é… a atitude certa.

Tomar a atitude certa, mesmo diante de atitudes alheias erradas, é o ÚNICO caminho para você eliminar, ou zerar o seu karma.

E qual é a atitude certa?

É a atitude que você gostaria de estar recebendo.

É acreditar e fazer o bem, mesmo a despeito de todo o mal que tem recebido; mesmo que não tenha ninguém olhando.

 Reaja inteligentemente mesmo a um tratamento não inteligente. Lao-Tsé

Esta sugestão de Lao-Tsé é muito mais profunda do que se pode perceber a uma primeira vista.

Ela é praticamente o grande caminho para a libertação pessoal.

Leia também: Carma, Trauma e Querer