Reciclagem espiritual

Reciclagem espiritual

Tenho alguns familiares evangélicos. Embora ultimamente afastados, sempre que nos reunimos, inevitavelmente acabamos partindo para conversas religiosas e místicas. É mais forte que nós :)

E em nossas discussões, volta e meia acabo utilizando a ideia de reencarnação para justificar alguns posicionamentos filosóficos meus. Mas confesso que beira o constrangimento, pois os evangélicos rejeitam a reencarnação de modo tão veemente que chega a ser hostil. Os pastores dizem que é uma coisa do demônio e eles levam tão a sério que parecem sentir medo só de falar. Acho triste isso. Sinto dó quando, já sem argumentos, apelam para a Bíblia para qualquer fundamentação. Mas Gesuis, a Bíblia é só um livro escrito por homens. Por que tanta autoridade sobre um livro tão contraditório? Daí dizem que eram homens inspirados pelo Espírito Santo. Ok, mas hoje os livros escritos por médiuns são inspirados por espíritos nobres também dadas suas mensagens profundamente elevadas (tem que ler pra saber, não pode julgar sem ler). Mas aí é coisa do demônio! Sim, dois pesos e duas medidas…

É muito difícil conversar com evangélicos quando você não é um deles. Quando você conversa com um amigo com mente aberta, a conversa seguirá um rumo construtivo, compartilhando informações e experiências um com o outro, cada qual com a postura humilde e preponderante de que na verdade NINGUÉM sabe tudo, de que a existência AINDA É o maior dos mistérios, de modo que a conclusão geral será superior ao início da conversa. Com o evangélico não é assim. Eles partem do pressuposto de que ELES conhecem a verdade suprema da vida, que é o evangelho, e que nós estamos perdidos pelo mundo até que cedo ou tarde encontremos ao Senhor, através, é claro, do evangelho. Sequer enxergam a possibilidade de que existe vida – e vida abundante – fora das igrejas. Ainda se tivessem a melhor das vidas, mas só o que vejo são pessoas com tantos problemas quanto eu ou você, numa atitude incompreensivelmente proselitista. Se você quiser me convencer a respeito de suas posturas filosóficas, que ao menos você tenha conseguido grandes êxitos com elas :( Prega bem, quem vive bem.

Se fossem mais abertos em suas visões filosóficas, talvez levassem a sério as seguintes informações, do psiquiatra Brian Weiss em seu primeiro, mais famoso e muito recomendado livro, Muitas Vidas, Muitos Mestres:

Durante a semana, reli o livro do curso de religiões comparadas que frequentei no primeiro ano da Universidade de Colúmbia. Havia de fato referências à reencarnação no Velho e no Novo Testamentos. Em 325 d.C., o imperador romano Constantino, O Grande e sua mãe, Helena, suprimiram as referências que estavam contidas no Novo Testamento. O Segundo Concílio de Constantinopla, reunido em 553 d.C., validou esse ato, declarando herético o conceito de reencarnação. Aparentemente, ele (o conceito de reencarnação) enfraqueceria o poder crescente da Igreja, dando aos homens tempo demais para buscarem a salvação. Mas as referências originais existiam, os primeiros padres da Igreja haviam aceitado a ideia. Os antigos gnósticos – Clemente de Alexandria, Orígenes, São Jerônimo e muitos outros – acreditavam ter vivido antes e que ainda voltariam a viver.

Os grifos e parênteses são meus.

Resumindo o que acontece: Se as igrejas cristãs admitissem a reencarnação, perderiam o status de caminho único, exclusivo e INSUBSTITUÍVEL para a salvação. Porque então você já não precisa ser salvo. Você precisa apenas evoluir para se livrar do sofrimento e, embora o desafio seja grande, Deus lhe concedeu literalmente todo o tempo do mundo para alcançarmos a evolução. Façamos o que estiver ao nosso alcance nesta vida mas… se não concluirmos nossa missão por agora, teremos quantas vidas precisarmos para concluí-la.

Não haveria mais por que TEMER.

E simpatizo muito com isso, porque não posso levar a sério qualquer ideia religiosa que queira me pôr medos… já os tenho suficientemente :)

Quando a vida vai bem…

Existe outro aspecto que deve ser levado em conta quanto à rejeição que muitos cristãos mais fervorosos manifestam quanto à possibilidade de passarmos por este planeta em vidas sucessivas. O próprio Brian Weiss comenta, no mesmo livro:

São poucos os jovens que se preocupam com a vida, a morte e a vida após a morte, sobretudo se as coisas vão indo bem […]

Muitos até aprendem a agradecer ao divino pelas dádivas que recebem da vida, mas A MAIORIA costuma clamar por Deus SOMENTE em situações complicadas.

Da mesma forma ocorre quanto à reencarnação. Você praticamente não precisa dessa crença se você é uma pessoa saudável e íntegra a quem basta o desenvolvimento da própria força interior para a superação dos obstáculos da vida.

Mas sabemos que outros tantos tem uma vida tão limitada e miserável com sua pobreza espiritual e debilidades físicas limitantes e humilhantes que a estes só resta torcer para que tenham outras e melhores chances de viverem uma vida dignamente plena.

Você só leva a reencarnação a sério quando num belo dia (belo dia NADA, num péssimo dia) você passa a cogitar que ela não seria uma má ideia.

Se interessa pelo tema? Então assista a esses dois vídeos.

Reencarnação na Bíblia

Eis um vídeo interessante que demonstra que a reencarnação é um conceito também presente no judaísmo, embora os próprios judeus também já não o reconheçam atualmente. O autor do vídeo, o qual demonstra um profundo conhecimento sobre a Cabala através dos seus inúmeros vídeos, afirma que o conceito de reencarnação surge na Torá. Torá pra quem não sabe é o nome que os judeus dão para os cinco primeiros livros do Antigo Testamento: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Sim, os primeiros livros da Bíblia o.O