Todas as igrejas aceitam a ideia de dízimo, isto é, que o fiel separe dez por cento de seus rendimentos, todo mês, e doe à igreja. E recentemente, descobri que até ordens iniciáticas mantém o conceito de doação por parte de seus iniciados.

Muitos, por no fundo não querer doar, encontram qualquer desculpa, normalmente dizendo que a igreja não precisa, ou que ela está “roubando” esse dinheiro dos fiéis, e muitas, de fato, o fazem. Eu mesmo deixei de frequentar igrejas evangélicas em definitivo quando um pastor de uma das poucas igrejas que eu gostava, pediu TRÊS ofertas num único culto. Muitos também questionam a prosperidade de alguns pastores. De fato, se o sujeito viver de forma extravagante, está errado, afinal, aquele cujo exemplo ele segue, ou devia seguir, Jesus Cristo, andava pelas ruas SEM NADA. Por outro lado, não me importaria, no mundo de hoje, no qual é difícil agir sem ter nada, que pastores mereçam uma vida minimamente próspera, afinal, são responsáveis, bem ou mal, certo ou errado, pela condução moral e consolo espiritual de dezenas, centenas ou milhares de pessoas.

Acredite, se com essa condução moral a coisa tá difícil, sem ela, estaríamos em meio à barbárie.

Tens o mundo e ainda achas pouco

Tens o mundo e ainda achas pouco

Contudo, de alguns anos pra cá, fui percebendo que todos nós, que temos uma vida consideravelmente próspera e plena, temos uma certa obrigação moral de retribuir para Deus, ou ao universo, todo o bem que ele nos concedeu. Mesmo que você acredite que tem tudo que tem porque trabalha bastante, pense que, como muitos, você poderia simplesmente não ter saúde para trabalhar tanto, e no entanto, recebeu essa graça da vida e pôde se esforçar em toda a sua potencialidade. Você tem inteligência, que muitos não têm. Você tem um corpo íntegro, que muitos não têm. Você tem visão, e audição, e uma voz, que muitos não têm. Enfim, mesmo que seja tudo uma mera questão de acaso e sorte, coisa que não acredito, temos a obrigação moral de RECONHECER que tudo poderia ser pior e que nossa vida está envolvida em muitas graças.

Se um sujeito visivelmente necessitado te aborda na rua pedindo umas moedinhas, você tem obrigação moral de dar alguma coisa simplesmente pelo fato de você não estar no lugar dele, e é justamente por isso que ele existe e está ali, para lhe mostrar de modo desprendido e abnegado que você está muito bem e não percebe. Sim, você poderia estar no lugar dele, mas por algum motivo insondável da existência, você não está. E ainda reclama da sua situação, que eu sei ;)

Eu lhe GARANTO que sua vida tem muitas graças da divindade, que talvez você nem mereça e recebe meramente por aquilo que cristãos denominam misericórdia, e que muito provavelmente você nem reconhece, e ainda acredita que merecia mais.

Ingrato(a)!!!

Cuide para não descobrir tudo que tem somente depois de perder.

Se você quiser de fato retribuir toda a generosidade com a qual a vida tem lhe agraciado(a), você não precisa doar parte de seus rendimentos para uma igreja. Doe o que puder, para quem você acha que precisa, e MUITOS precisam, o tempo todo.

Você que não quer ver!