É mais que normal uma igreja “cobrar” uma ajuda para a manutenção de seus “serviços de ordem espiritual”. O povo, no geral, aquele que nunca vai dar em nada mesmo, merece e precisa de um “conforto” e tal. Normal, normal. É da vida que seja assim.

Quanto ao dinheiro, doa quem quer. Mas doa também quem tem medo. E é aí que está o crime. Utilizar o medo dos crédulos para tirar vantagens para si, é maldade. Quem faz isso tem o espírito do mal. É malandragem. Canalhice.

Fazer um doente psiquátrico doar até seus passes de transporte coletivo em troca de sua cura… Cara, isso é maldade.

Por outro lado, uma senhora, a princípio sã e íntegra, doar até o apartamento onde morava para a Igreja, mostra que é pior que os pastores que promoveram isso tudo. Sua ambição foi maior do que tudo. Neste caso, mereceu. Levou um choque, ACORDOU e agora viu a burrada que fez. Pergunta pra ela onde está a “retribuição” de Deus para o seu dízimo. Desconfio profundamente que Deus quer que, além de sermos compreensívos e generosos, uns com os outros, sobretudo, quer que sejamos inteligentes.

Quando a ambição é demais… o tombo será catastrófico.