Com a mesma medida com que medirdes, sereis medidos vós também. Lucas 6:38

Nós costumamos medir o mundo com as nossas medidas.

O resultado da nossa medição, do que vemos, são nossas opiniões.

O risco de se expor demais

O risco de se expor demais

Mas a verdade é que o mundo, e a sociedade, são constituídos de matizes complexamente infindáveis de comportamento.

Isso explica o porquê de tempos em tempos vermos algo e, perplexos, dizermos: “Eu morro e não vejo tudo”. É quando nossa visão de mundo se expandiu um tantinho mais. Só um tantinho.

Porque de modo geral, nossas opiniões refletem apenas o nosso mundinho.

Ora, esse mundo tem de tudo. E sempre haverá, e virá à tona, um fato inusitado e até então submerso no oceano infinito do desconhecimento, para derrubar por terra a opinião mais inabalável. Sobre QUALQUER assunto.

Por isso é tão perigoso ficar alardando opiniões. As chances de estarmos equivocados são de 99,97% (Fonte: dataEU).

As chances de falarmos de algo de modo equivocado, limitado e incompleto para alguém que sabe muito mais a respeito do assunto em questão, é sempre grande, principalmente online.

Se o assunto for sexo e outros tabus, então, a chance é de 100%. Porque as pessoas têm as mais variadas (e ousadas e possivelmente, pervertidas e depravadas) experiências sexuais, mas não ficam contando pra todo mundo. Nem para seus terapeutas.

Por isso a importância do silêncio, de saber calar, e de saber se segurar.

A não ser que se deixe bem claro que não se sabe de tudo. Confessar a ignorância é sinal de uma personalidade prudente e sóbria.

Muito pior do que esquecer do silêncio e falar demais, é falar besteira.