De vez em quando, algumas menininhas, e algumas moças não tão meninas assim, postam uma coisa ou outra no Facebook reclamando da falsidade dos outros.

Mas… falsidade? Dos outros?

PERAÍ!

PERAÍ!

Quando isso acontece, sempre tem algo que não bate.

Como pode, gente que passa o tempo todo falando da vida dos outros, reclamando de falsidade?

NUNCA vi ninguém reclamando da falsidade alheia que seja completamente íntegro e transparente em todas as suas ações.

Reclamar da falsidade dos outros sinaliza uma incompreensão de como as relações sociais funcionam.

Há duas frases sobre falsidade que volta e meia são compartilhadas nas redes sociais. Uma é esta:

Antes antipático do que falso, afinal o que é ser simpático? Fingir que gosta de todo o mundo? Então meu caro… Se eu não for com a sua cara não conte com a minha simpatia. Chega de confundir falsidade com educação.

Talvez essa seja uma postura mais “íntegra”, a postura do sujeito que se não gosta, demonstra que não gosta.

Mas discordo dela.

Uma questão de savoir-faire

Eu pergunto: é legal isso? Esta é uma postura adulta, ou, ao contrário, sinaliza imaturidade? Essa coisa de ficar de intriguinha não é típico de adolescentezinho? Não é melhor ficar em casa, então, do que sair por aí demonstrando o quanto não se gosta dos outros?

Qual a necessidade que as outras pessoas têm de conhecer o azedume do indivíduo?

Infelizmente ou não, conviver em sociedade exige de nós algum nível de falsidade, que eu chamaria de maleabilidade, que seria não levar as diferenças tão a sério, apesar de sabermos muito bem que existem. Porque do contrário, estaremos a cada passo ofendendo e magoando alguém, e as pessoas não precisam disso.

A vida já é suficientemente dura para todos.

Já vi também compartilhada pelas redes sociais uma outra frase, com a qual me identifico mais:

Não significa que você é falso quando você é legal com alguém que você não gosta. Significa que você é maduro o suficiente pra ser educado.

Considero esta uma postura mais civilizada e adulta.

É claro que se você sabe que um sujeito cuja presença lhe causa ânsia de vômito vai estar num mesmo ambiente que você, é mais prudente nem ir. Mas mesmo que precise ir, é bom tentar se agradável.

Ora, vai que o problema seja você.

Quanto aos demais, é provável que tenhamos diferenças com todos. Sendo assim, será sinal de maturidade e larga visão saber conviver em paz com as diferenças, sem apelar a cada passo para discussões ou atritos, que só fazem estragar o clima, sem trazer nada de bom.

O antídoto

Falsidade é demonstrar uma estima que não existe. Hipocrisia é falar uma coisa e fazer outra. Ambas têm a mesma essência, que é a contradição entre o que se comunica e o que se faz.

Reclamar demais delas é complicado porque nenhum de nós está imune à necessidade de ambas, em algum momento, para funcionar em sociedade.

Mas todos podemos manifestá-las sempre menos, na medida em que não falarmos o que não precisa ser falado.

O silêncio sempre surge como uma boa escolha diante de qualquer situação, evitando muitos problemas para nós, e evitando frustração para os outros.

Quem não promete, não será cobrado se não cumprir.