Egobook

Se existe uma postura da qual me orgulho é que eu não costumo compartilhar o que fiz / estou fazendo / vou fazer, no Facebook. Já cometi esse deslize no início do uso da rede social e me arrependo imensamente. Hoje, vou a restaurantes, faço meus passeios, encontro amigos, mas nunca exponho isso na rede, nem no whatsapp. Às vezes me marcam em algumas fotos, mas não curto muito (literalmente) esta exposição.

Porque a verdade absoluta sobre este tema é: A não ser pessoas muito próximas que realmente o(a) amam, que são poucas, a maioria dos contatos do facebook não quer saber o que você está fazendo. Estas, se costumam fazer coisas melhores do que você, vão ficar com peninha ou sentir vergonha alheia; se não costumam fazer nada de interessante da vida, vão ficar ressentidas, ou com aquela invejinha.

Por não terem esse tipo de noção, a maioria das pessoas acaba expondo sua carência de atenção de forma muito explícita na rede, carência esta que nunca deixa de me surpreender. Veja bem: Há pessoas realmente muito sociáveis e carismáticas que expõe várias de suas atividades online, e nem por isso soam exibicionistas ou narcisistas. Mas a maioria, ao publicar seus atos, jurando que todos estávamos muito ansiosos para saber o que ela vai fazer, só demonstra que se sujeita à ideia de que o face serve só pra isso; demonstra sobretudo que se curva a essa invejinha digital que a convence de que todos tem uma vida interessantíssima, menos nós. Então quando finalmente vamos fazer algo de interessante, também temos que publicar lá, pra não ficarmos tão por baixo…

É ridículo, mas é justamente o que acontece.

O problema reside no excesso

Eu Eu Eu Facebook

“A beleza só importa nos primeiros 15 minutos. Depois você tem que ter algo a mais para oferecer” Fernanda Montenegro

Quando algumas pessoas lá, publicam um certo EXCESSO de fotos sobre si mesmas, de seus filhos, cachorros, gatos, bebidas caras, comidas exóticas, lugares bacanas, viagens incríveis, livros lidos, decotes generosos, tudo que eu enxergo são pessoas carentes de atenção e com senso de valor próprio bem baixo.

Raramente enxergo: Nossa, que legal, como fulano(a) tá bem!

Veja bem: Não há problema algum em compartilhar imagens dessas coisas; quem sou eu pra censurar o que você posta nos seus perfis online? Quem está queimando o próprio filme é você, não eu… Ops, digo… mas como tudo que fazemos tem uma consequência, quando certos temas se repetem DEMAIS, ou se restringem só àquilo, então passa a impressão que a pessoa entende o facebook como um canal exclusivo para mostrar que está bem, ou para se mostrar, e sustenta sua autoestima sobre as manifestações digitais dos outros, como os “curtir”, “comentar” ou “compartilhar”. ;)

A diferença entre o exibicionismo e a autenticidade, é que o autêntico faz para si, porque gosta, porque curte, e eventualmente compartilha algo nas redes.

O exibicionista, pode até curtir, mas se os outros não saberem, não tem graça.

Rede social?

Acredito que parte desse comportamento se deve à falta de noção de como usar as redes sociais, e falta de noção de como as pessoas reagem às postagens exibicionistas. Que, diga-se de passagem, quase nunca é uma reação de felicidade; às vezes é reação de inveja; na maioria das vezes, é de descrença e decepção.

facepalmHá uma necessidade, que o bom observador perceberá angustiante, de mostrar que se tem algum valor, um diferencial, uma exclusividade, alguma importância, que quase sempre consiste numa atividade que a maioria não pode fazer.

Mas observe que essa atividade raramente será a de usar o cérebro pra dizer algo de relevante.

A propósito, o que eu mais curto no fb, literalmente, são realizações: Se você compartilhar uma foto sobre si mesma, ou do prato que vai comer, ou dos amigos que encontrou, TALVEZ eu possa curtir. Mas se você foi promovida no emprego, pintou um quadro, escreveu um poema, expôs uma opinião inteligente sobre uma percepção da realidade, fez uma casinha pro seu cachorro etc, pode ter certeza, não só vou curtir, como vou aplaudir mentalmente sua realização, e desejar sempre mais sucesso para você.