Desejo de muita gente

Desejo de muita gente

A amor não leva em conta regras, nem valores morais. O amor é uma carência biológica e psicológica. Uma necessidade humana de valor que sempre vai vencer e se expressar. Portanto sempre que haver oportunidade (através de qualquer tipo de convivência), o amor pode e certamente VAI se manifestar, seja da forma que for, vai forçar os indivíduos a se unirem, sentimentalmente, afetivamente, emocionalmente, sexualmente.

O amor tem fundo biológico e também psicológico. O reconhecimento de nossa existência e individualidade promovida pelo amor de alguém na forma de atenção, cuidados, afeto, desejo, etc, faz um bem incomensurável ao ego por demonstrar o valor que eventualmente possuímos – nem que seja somente para aquela pessoa. Portanto é muito raro alguém negar o amor que lhe é oferecido, desde que vindo de quem considera-se minimamente :)  e mesmo que venha de quem não se esperava que viesse. E acredito muito particularmente que quem nega o amor que lhe é oferecido acaba algum dia se arrependendo, afinal, a vida é tão curta – e a juventude tão mais curta ainda – para deixarmos de experimentar tudo que a vida nos oferece, só para nos  enquadrarmos em regras alheias mal estipuladas.

E devemos ter em mente que se dermos bola para a sociedade, nos sentiremos oprimidos e reprimidos. Principalmente se a sociedade (pais, parentes, etc) é quem paga as nossas contas. Ser livre – pagando as próprias contas :) – e exercer autonomia sobre as próprias decisões  é pré-requisito para poder amar melhor e mais livremente. Dessa forma, muitas vezes só nos sentiremos livres para expressarmos nosso amor eventualmente não convencional longe da família e do meio onde fomos criados, principalmente se a família e o lugar forem tradicionais e conservadores.

O amor não é cego, tem olhos vendados

O amor não é cego, tem olhos vendados

As regras morais e a ética estão aí pra pôr um pouco de ordem no caos da sociedade. Mas na medida em que entendemos que o amor não reconhece regras e nem limites, podemos diminuir um pouco o sofrimento quando percebemos que o amor não funciona como esperamos em nossas cabeças loucas, egoístas e controladoras. Principalmente se sua maior fonte de referência sobre o amor sejam as comédias românticas hollywoodianas :)

A psicóloga Noely Montes Moraes […] diz que buscar comodidade e segurança na vida amorosa como valor absoluto implica colocar-se à margem da vida, protegido por uma couraça. O resultado é a estagnação do fluxo vital e um empobrecimento de vivências. Para ela, a pessoa assim defendida se torna superficial e um tanto pueril, quando não se torna também invejosa das pessoas que ousam dizer sim à vida, atacando-as com um moralismo rançoso. Regina Navarro

Você pode até discordar de pontos de vistas assim. Talvez sua mentalidade ainda esteja viciada nesse padrão romântico e idealista de como os relacionamentos DEVERIAM ser. Mas ENTENDA que o problema não sou eu ou os estudiosos, é a vida!

A vida não está nem aí para o que você pensa ou deixa de pensar.

Nem para o que as pessoas e a sociedade consideram certo ou errado. A vida e a natureza simplesmente seguem seu curso, ignorando-nos soberba e solenemente. Ou você se adapta, entende, se prepara e aceita as infinitas manifestações do amor, e as pessoas, como são, ou vai sofrer o resto da vida tentando controlar o incontrolável.

Texto de 29 de junho de 2011.

Veja também:

O que significa amar?
O que é amor verdadeiro?
A difícil arte de largar
Diferenças entre o amor e a paixão
O Romantismo é uma praga

Outros textos sobre amor