De 16 de dezembro de 1999.

***

Não esperes ver de mim
Exemplos de conduta social
À alma serena fosse assim
Inaceitável sentir o essencial
“É imoral…”

Não esperes sentir de mim
Que te mostres toda a essência
Da sabedoria dos ventos, enfim…
Serena é tanta esta carência
“É desolador…”

Não esperes ouvir de mim
Palavras verazes ou veredas de comportamento
Vivências em exclusão, tudo que não conheci
Nem companhias; invejáveis sorrisos de apartamento
“É desanimador…”

Venhas, linda deidade, já para mim
Cansado estou de esperar por buscar
Seus gestos de descaso fizeram vir
Seu valor na imagem perdida de lutar
“Já indigno…”

Sejas toda, tua alma de mim
Que maior fostes; doce e distante
Em seu rosto momentos farei convir
Da vida suave da brisa constante
“É promissor”

Te enalteças de virtudes em mim
Mal sabes, sou bases de nobreza em reflexos
Senso sublime; flores merecem o jardim
És tu onde estou eu de regresso
“É algo encantador”

Exales amor, na vida, em mim…
Inspire-me ao motivo da razão
Pureza dum brilho; Luz de amor sem fim
Seja aos sentidos, sensações da emoção
“É o ideal”

Tua doce magia já é essencial para mim
Lágrimas que suavizaras por suaves expressões
Tão longe teu fascínio, tua falta é ruim
Teu olhar, é laço dourado; Que uniu nossos corações
“Esperada consagração”

/ Ronaud Pereira /

***

Veja outros poemas