Encontrei a tirinha abaixo via twitter, postada no PdH e ela realmente me fez refletir sobre algumas coisas:

1 – Parece que ela foi feita pra mim, já que o rapaz da história é chamado por “Rô”. Pois é…

2 – Em um momento ela diz: “Rô, você é chato…”. Nossa, parecia que a menina estava falando comigo… ;-)

3 – Ela parece um retrato da minha adolescência. Pois é… [2]

4 – Se eu tivesse recebido um texto desse há uns 15 anos atrás (como comentaram alguns leitores do PdH) eu certamente teria percebido algumas convicções equivocadas que eu mantinha. Pois a tirinha é uma verdadeira aula de como NÃO conquistar alguém. Poizé… [3]

Toma!!!

Toma!!!

Já que agora eu estou com mais tempo, ai vão…

…algumas observações sobre os personagens:

1 – O rapaz é o típico filhinho-inteligente-mimado-romântico-idealista que acha que a vizinha é a alma-gêmea predestinada a ele e se sente importante ao se sacrificar esperando que a mocinha finalmente perceba que nasceram um pro outro. Meninos assim são ingenuamente egoístas e nem sonham que essa não é a melhor maneira de se conquistar uma amiga.

2 – Ela se mostra um tanto… Chata, ou insolente. Ingrata acima de tudo, pois, segundo a história subentendida, ficou um bom tempo como amiga do rapaz e de repente, do nada, resolve bombardear o coitado trouxa com tudo que sempre viu de pior nele. Meninas tem esse problema característica: Depois de conviver algum tempo com seu melhor amigo, a certa altura da amizadji, por mais inocentes que elas possam ser, já sabem exatamente o que os rapazes querem, contudo, entretanto, porém… continuam fingindo que nada sabem, que nada viram, que é  amizade… pode ser por medo, pode ser por insegurança, mas que é injusto deixar os meninos sem definição, é… pois presumo que assim reajam não por medo, tampouco por insegurança, e sim porque apesar de não quererem nada com os menino, também não querem perder o posto de preferidas, e os elogios, e os mimos, e a atenção, etc, etc, etc.

3 – Ele tem 14 anos de idade? Então estou perdendo tempo analisando um relacionamento adolescente? ;-)

4 – Em um momento ela o julga como sem sal. Bom, salvo as sempre raras exceções, acho que todo adolescente é sem sal, não é? O tempero da personalidade vem com o tempo… E muito de nossa capacidade de conquistar as pessoas vem justamente desse tempero. Jovens tem que ter paciência; depois dos 20, 22, 24 anos começamos a adquirir uma noção bem melhor do mundo, da vida e das pessoas. E nada como a experiência para nos ajudar com esta desconhecida – a vida. Não tem jeito, só se aprende a viver, vivendo, e isso leva tempo.

5 – Concordo quando o autor joga nas falas da menina que devemos ir para as ruas, viver, cometer erros e experimentar o que a vida tem a oferecer. É justamente essa atitude que vai nos agregar mais experiência de vida, como lembrei no item anterior. Mas discordo quando, talvez até sem querer, o autor alude que ficar em casa conhecendo os detalhes do video-game favorito (ou exercendo qualquer hobby pelo qual ele tenha gosto), ou ainda, se informando sobre política ou religião, sejam interesses preponderantemente errados. Não são. Como comentei no texto do PdH, todos temos predisposições diferentes e não podemos negá-las, e muito menos sermos julgados por elas, muito embora viremos a vivenciar suas consequências. Se Steve Jobs e Steve Wozniak preferissem ficar correndo atrás de meninas ao invés de ficar montando seus computadores, hoje Apple continuaria sendo apenas o nome de uma fruta.

6 – Nem só conhecimento, nem só experiência, nem só sabedoria. Todos juntos em doses equilibradas, você não concorda comigo?

7 – Independente de o rapaz pender para o lado nerd ou para o lado descolado, devem saber que mulher realmente não gosta de babação e artificialidade, e sim, de pegada, de estímulos, de inteligência. Rapazes, o ponto G está nos ouvidos (™ Isabel Allende).

8 – Num momento a garota comenta: “Garotas querem estar com os ‘idiotas’ porque eles são mais selvagens e pouco civilizados, pois isso significa que eles são impulsivos, cheios de energia e fortes”. Aqui o autor pirou. Nada a ver. Se é algo em que não sugiro apostar quando quiser conquistar sua amiga, é no gosto feminino…  ;-) Repita o mantra: Nos relacionamentos humanos tudo é possível. Nos relacionamentos humanos tudo é possível. Nos relacionamentos humanos tudo é possível. Nos relacionamentos humanos tudo é possível…

9 – O que parece o ponto mais patético da tira – essa coisa de sair engravidando mulheres – é algo que já parei pra pensar. Gente tida como inteligente costuma ter poucos filhos, ou nenhum. Se você puxar um link para a teoria da seleção natural de Darwin, você pode chegar a conclusão que o adiantamento intelectual não é necessariamente uma vantagem evolutiva, muito menos na conquista. Isto porque com os inteligentes tendo poucos ou nenhum filho, tendem a deixar menos sucessores e portanto, menos pessoas inteligentes em meio a raça humana. Eu sei, esse assunto é patético, mas foi a menina da tirinha que começou…

10 – No fim ela diz: “…você tenta parecer tímido e incompreendido, quando na verdade, sua relutância em tomar as rédeas da sua própria vida e sua tendência de reclamar e fingir depressão quando as coisas não acontecem exatamente como você quer me fazem ter o conceito de que você não é nada além de um mimado covarde e egoísta”. Aqui acho que a mensagem vale para todos. Alguns de nós se veem contagiados pelas doenças do desculpismo, do vitimismo, da passividade, sem conseguirmos perceber que essas doenças não passam de covardia e mimo. A melhor estratégia para se conquistar as pessoas é tomarmos a iniciativa e oferecermos o que temos de bom, sem esperar sermos percebidos, reconhecidos ou solicitados.

Nossa relutância em tomar as rédeas de nossa própria vida” certamente fica como a mensagem principal da tirinha acima, que tanto assunto rendeu aqui ;-)